quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Para 2011

Três frases de Erich Fromm:
"Todo passo novo traz em si o risco do fracasso, e esta é uma das razões pelas quais tanto se teme a liberdade."

"Alegria não é o extase ardente de um instante. Alegria é a luz sem chama que acompanha o ser."

"A alegria, portanto, é aquilo que sentimos no processo de nos aproximar cada vez mais da meta de sermos nós mesmos."

Muita alegria, muita paz e muita saúde, que 2011 aconteça no coração de cada ser.

Namastê

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Ensinamento indiano

Na Índia se ensina as « Quatro Leis da Espiritualidade »


A Primeira Lei diz: « A pessoa que chega é a pessoa certa ».

Significa que nada ocorre em nossas vidas por casualidade. Todas as pessoas que nos rodeiam, que interagem conosco, estão ali por uma razão, para que possamos aprender e evoluir em cada situação.


A Segunda Lei diz: « O que aconteceu é a única coisa que poderia ter acontecido. »

Nada, absolutamente nada que ocorre em nossas vidas poderia ter sido de outra maneira. Nem mesmo o detalhe mais insignificante! Não existe: "se acontecesse tal coisa, talvez pudesse ter sido diferente...". Não! O que ocorreu foi a única coisa que poderia ter ocorrido e teve que ser assim para que pudéssemos aprender essa lição e então seguir adiante. Todas e cada uma das situações que ocorrem em nossas vidas são perfeitas, mesmo que nossa mente e nosso ego resistam em aceitá-las.


A Terceira Lei diz: « Qualquer momento que algo se inicia, é o momento certo. »

Tudo começa num momento determinado. Nem antes, nem depois! Quando estamos preparados para que algo novo aconteça em nossas vidas, então será aí que terá início!


A Quarta e Última Lei diz: « Quando algo termina, termina! »

Simplesmente assim! Se algo terminou em nossas vidas, é para nossa evolução! Portanto é melhor desapegar, erguer a cabeça e seguir adiante, enriquecidos com mais essa experiência!


Mais um de texto da internet, espero que tenham gostado, boas reflexões!


Namastê

domingo, 28 de novembro de 2010

A Samambaia e o Bambu!!!

Texto recebido pela internet, espero que gostem ;)

Certo dia decidi dar-me por vencido. Renunciei ao meu trabalho, às minhas relações, e à minha fé. Resolvi desistir até da minha vida. Dirigi-me ao bosque para ter uma última conversa com Deus.

“Deus, eu disse: Poderias dar-me uma boa razão para eu não entregar os pontos?” Sua resposta me surpreendeu: “Olha em redor Estás vendo a samambaia e o bambu?” “Sim, estou vendo”, respondi. Pois bem. Quando eu semeei as samambaias e o bambu, cuidei deles muito bem.

Não lhes deixei faltar luz e água. A samambaia cresceu rapidamente. Seu verde brilhante cobria o solo. Porém, da semente do bambu nada saía. Apesar disso, eu não desisti do bambu. No segundo ano, a samambaia cresceu ainda mais brilhante e viçosa. E, novamente, da semente do bambu, nada apareceu.

Mas, eu não desisti do bambu.

No terceiro ano, no quarto, a mesma coisa…

Mas, eu não desisti. Mas… no quinto ano, un pequeno broto saiu da terra. Aparentemente, em comparação com a samambaia, era muito pequeno , até insignificante. Seis meses depois, o bambu cresceu mais de 50 metros de altura.

Ele ficara cinco anos afundando raízes. Aquelas raízes o tornaram forte e lhe deram o necessário para sobreviver.

“A nenhuma de meus filhos eu faria um desafio que elas não pudessem superar”
E olhando bem no meu íntimo, disse: Sabes que durante todo esse tempo em que vens lutando, na verdade estavas criando raízes? Eu jamais desistiria do bambu. Nunca desistiria de ti. Não te compares com outros”.
“O bambu foi criado com uma finalidade diferente da samambaia, mas ambos eram necessários para fazer do bosque um lugar bonito”. “Teu tempo vai chegar” disse-me Deus. “Crescerás muito!” Quanto tenho de crescer? perguntei. “Tão alto quanto puder e quiser!

Espero que estas palavras possam ajudar-te a entender que Deus nunca desistirá de ti.

Nunca te arrependas de um dia de tua vida. Os bons dias te dão felicidade. Os maus te dão experiência.
Ambos são essenciais para a vida. A felicidade te faz doce. Os problemas te mantêm forte. As penas te mantêm humano. As quedas te mantêm humilde. O bom êxito te mantém brilhante. Mas, só Deus te mantém caminhando...

Boas reflexões!

Namastê

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Zanshin

A palavra "Zanshin" é muito utilizada em artes marciais e alguns de seus significados são: prontidão, estar alerta e ao mesmo tempo relaxado e também estar presente sem estar tenso. Parece complicado, complicado não o é, é simples, mas está longe de ser fácil.

Hoje em dia estar "presente" é uma tarefa não muito fácil, em virtude da correria e desta ansiedade tamanha que envolve toda a atmosfera em que vivemos. O dilema atual é entregar agora o que era para ontem e assim por diante. Desta forma diria que é praticamente impossível vivenciar esta experiência de prontidão.

Os monges budistas praticam diariamente este estado de prontidão. Percebem como eles são calmos? Onde existe serenidade, existe "zanshin".

Darei um exemplo que talvez possa explicar um pouco do que é o "zanshin". Qualquer um de nós já esteve presente em algum exame, certo? Contarei a história de uma pessoa que era examinando de troca de faixa da arte marcial chamada "Aikido". No "Aikido" é preciso ter um parceiro(a) para "cair" para você, pois não se pratica esta arte sozinho, assim dizia "O-Sensei". A pessoa que executa a técnica (o examinando) chama-se "naguê" e o que cai "ukê".

Voltando a nossa história, esta pessoa não tinha um "ukê" desde quando iniciou seu treinamento, nos últimos momentos encontrou aquela que seria o "ukê" perfeito, total sintonia, conexão, flexibilidade, solidariedade... enfim, tudo o que um "naguê" pede para ele mesmo. O pré-exame foi realizado na academia onde treina e foi o melhor pré-exame feito em toda a sua vida, feito com precisão, concentração e foco. Dito isto, todos dormiram felizes para o dia seguinte. Dia do exame, seu "ukê" impossibilitado de cair, e agora? Com duas outras opções o "naguê" partiu para a escolha, era muito para ele decidir algo, deixou para o destino. Assim prosseguiu o exame, envolto de emoções, precisão, foco e controle. Tudo correu muito bem. Este "naguê" que antes pensava estar preparado para uma coisa, viu-se que estava preparado para qualquer coisa, isso é "Zanshin".

Treinar para o que é certo é fácil, treinar para o que vier é "zanshin", é estar preparado para qualquer coisa, é estar presente para qualquer acontecimento, encontrar as saídas e as soluções para os problemas. É estar atento, sem estar tenso. Deixar fluir, para assim conseguir perceber.

"Zanshin" - estado de prontidão para o que vier, sem estar tenso. É o que desejo a vocês hoje e sempre.

Boas reflexões.

sábado, 20 de novembro de 2010

Viver ou juntar dinheiro?

Texto de Max Gehringer.

Há determinadas mensagens que, de tão interessante, não precisam nem sequer de comentários.

Como esta que recebi recentemente. Li em uma revista um artigo no qual jovens executivos davam receitas simples e práticas para qualquer um ficar rico. Aprendi, por exemplo, que se tivesse simplesmente deixado de tomar um cafezinho por dia, nos últimos quarenta anos, teria economizado 30mil reais. Se tivesse deixado de comer uma pizza por mês, 12 mil reais. E assim por diante. Impressionado, peguei um papel e comecei a fazer contas. Para minha surpresa, descobri que hoje poderia estar milionário. Bastaria não ter tomado as caipirinhas que tomei, não ter feito muitas viagens que fiz, não ter comprado algumas das roupas caras que comprei. Principalmente, não ter desperdiçado meu dinheiro em itens supérfluos e descartáveis. Ao concluir os cálculos, percebi que hoje poderia ter quase 500 mil reais na minha conta bancária. É claro que não tenho este dinheiro. Mas, se tivesse, sabe o que este dinheiro me permitiria fazer? Viajar, comprar roupas caras, me esbaldar em itens supérfluos e descartáveis, comer todas as pizzas que quisesse e tomar cafezinhos à vontade. Por isso, me sinto muito feliz em ser pobre. Gastei meu dinheiro por prazer e com prazer. E recomendo aos jovens e brilhantes executivos que façam a mesma coisa que fiz. Caso contrário, chegarão aos 61 anos com uma montanha de dinheiro, mas sem ter vivido a vida. “Não eduque seu filho para ser rico, eduque-o para ser feliz. Assim ele saberá o Valor das coisas e não o seu Preço."

Que tal um cafezinho?

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Choque emocional

Para quem ainda não assistiu, recomendo, entretanto alguns toques para os menos avisados.

É um filme forte, violento e dedo na ferida mesmo. Em época de eleição - ato de coragem. Mas não estou aqui para falar do filme. Algumas cenas chocam, mas o que mais me chocou foi a manifestação do público.

Explico-lhes: não assisti o Tropa de Elite 1 - por isso em alguns momentos pensei que estava no filme errado, pois em cenas violentas de tortura o público ria, aplaudia, pedia mais. Cenas que me davam vontade de chorar e pessoas tendo manifestações contrárias. Sinceramente não entendi.

Mas acho que posso entender o que possa estar acontecendo. Esse mundo anda tão opressor com o ser humano que quando - mesmo que na ficção - se mostra pessoas do "mal" sendo torturadas violentamente, o lance é achar isso legal. É como se fosse o ópio do povo, não é muito diferente das arenas antigas onde gladiadores precisavam se defender dos leões, caso contrário viravam comida dos mesmos e no final o povo aplaudia. Alguém riu no filme Gladiador quando o mesmo estava na arena? Será que o ser humano evoluiu? Será que o ser humano evolui?

Não se faz justiça usando as mesmas armas da violência, é pagar na mesma moeda. Isso não faz ser melhor, pelo contrário, se é rebaixado - na minha opinião. A melhor forma de devolver um ataque ofensivo é ser gentil, pois como dizia o profeta gentileza "- gentileza gera gentileza".

Se forem assistir ao filme, estejam preparados para o que vão assistir dentro e fora da tela.

Boas reflexões.

Namastê

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

P.S. emocional

Vocês repararam que nossa vida é uma loucura?

Quando você pergunta para alguém: - Olá como vai a vida? Eles respondem: - Uma correria, uma loucura!

Vendo isso acho tudo muito triste, pois estamos encarando a vida como se fosse um P.S. Tudo é emergencial, nada pode ficar para o dia seguinte.

No mundo corporativo é tudo para ontem. Meu Deus, aonde vamos parar? No P.S. de um hospital é até compreensível a urgência, mas no trabalho... tudo é para agora, a maioria das pessoas passam o dia apagando incêndios e tentando resolver problemas, produzir que é bom...

Já cheguei a ouvir absurdos do tipo: "Eu vejo no domingo os emails para programar a semana." O domingo não seria da família? Ou do mero prazer do ócio?

Cabe a cada um de nós colocarmos as prioridades em nossas vidas, saber o que está fazendo com a sua vida. Lembre-se: muitos se ligam no piloto automático e simplesmente passam pela vida, não estão vivendo a vida.

Deixe a correria do dia a dia para quem está preparado e trabalha num verdadeiro P.S., não faça da sua vida ou do seu trabalho um P.S. emocional, caso contrário, quem vai parar no P.S. (verdadeiro) é você.

Boas reflexões.

Namastê

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

O homem que não se irritava

"Esse é um daqueles textos que recebemos pela internet, mas traduz muito bem o oposto do que vivemos hj, boas reflexões, espero que gostem :)"

Em uma cidade interiorana havia um homem que não se irritava e não discutia com ninguém. Sempre encontrava saída cordial, não feria a ninguém, nem se aborrecia com as pessoas. Morava em modesta pensão, onde era admirado e querido.

Para testá-lo, um dia seus companheiros combinaram levá-lo à irritação e à discussão numa determinada noite em que o levariam a um jantar. Trataram todos os detalhes com a garçonete que seria a responsável por atender a mesa reservada para a ocasião. Assim que iniciou o jantar, como entrada foi servida uma saborosa sopa, que o homem gostava muito.

A garçonete chegou próxima a ele, pela esquerda, e ele, prontamente, levou seu prato para aquele lado, a fim de facilitar a tarefa. Mas ela serviu todos os demais e, quando chegou a vez dele, foi embora para outra mesa.

Ele esperou calmamente e em silêncio, que ela voltasse. Quando ela se aproximou outra vez, agora pela direita, para recolher o prato, ele levou outra vez seu prato na direção da jovem, que novamente se distanciou, ignorando-o.

Após servir todos os demais, passou rente a ele, acintosamente, com a sopeira fumegante, exalando saboroso aroma, como quem havia concluído a tarefa e retornou à cozinha.

Naquele momento não se ouvia qualquer ruído. Todos observavam discretamente, para ver sua reação.

Educadamente ele chamou a garçonete, que se voltou, fingindo impaciência e lhe disse: o que o senhor deseja?

Ao que ele respondeu, naturalmente: a senhora não me serviu a sopa.

Novamente ela retrucou, para provocá-lo, desmentindo-o: servi sim, senhor!

Ele olhou para ela, olhou para o prato vazio e limpo e ficou pensativo por alguns segundos. Todos pensaram que ele iria brigar. Suspense e silêncio total.

Mas o homem surpreendeu a todos, ponderando tranquilamente: a senhorita serviu sim, mas eu aceito um pouco mais!

Os amigos, frustrados por não conseguir fazê-lo discutir e se irritar com a moça, terminaram o jantar, convencidos de que nada mais faria com que aquele homem perdesse a compostura.

Bom seria se todas as pessoas agissem sempre com discernimento em vez de reagir com irritação e impensadamente.

Ao protagonista da nossa singela história, não importava quem estava com a razão, e sim evitar as discussões desgastantes e improdutivas.

Quem age assim sai ganhando sempre, pois não se desgasta com emoções que podem provocar sérios problemas de saúde ou acabar em desgraça.

Muitas brigas surgem motivadas por pouca coisa, por coisas tão sem sentido, mas que se avolumam e se inflamam com o calor da discussão.

Isso porque algumas pessoas têm a tola pretensão de não levar desaforo para casa, mas acabam levando para a prisão, para o hospital ou para o cemitério.

Por isso a importância de aprender a arte de não se irritar, de deixar por menos ou encontrar uma saída inteligente como fez o homem no restaurante.

A pessoa que se irrita aspira o tóxico que exterioriza em volta, e envenena-se a si mesma.

Acredito que podemos tirar um aprendizado importante dessa história, visto que todos nós estamos andando no limite da paciência; seja, no trabalho, transito, convívio com a família...

Podemos refrear a língua, bem como retardar em nossas ações e nunca tomar atitudes precipitadas, que podem trazer consequências graves.

domingo, 8 de agosto de 2010

Definição de saudade...

Artigo do Dr. Rogério Brandão
Médico oncologista clínico - RC Recife Boa Vista

Médico cancerologista, já calejado com longos 29 anos de atuação profissional, com toda vivência e experiência que o exercício da medicina nos traz, posso afirmar que cresci e me modifiquei com os dramas vivenciados pelos meus pacientes.
Dizem que a dor é quem ensina a gemer.
Não conhecemos nossa verdadeira dimensão, até que, pegos pela adversidade, descobrimos que somos capazes de ir muito mais além.
Descobrimos uma força mágica que nos ergue, nos anima, e não raro, nos descobrimos confortando aqueles que vieram para nos confortar.

Um dia, um anjo passou por mim...

Meu anjo veio na forma de uma criança já com 11 anos, calejada, porém por 2 longos anos de tratamentos os mais diversos, hospitais, exames, manipulações, injeções, e todos os desconfortos trazidos pelos programas de quimioterapias e radioterapia.

Um dia, cheguei ao hospital de manhã cedinho e encontrei meu anjo sozinho no quarto. Perguntei pela mãe. E comecei a ouvir uma resposta que ainda hoje não consigo contar sem vivenciar profunda emoção.

Meu anjo respondeu:
- Tio, disse-me ela, às vezes minha mãe sai do quarto para chorar escondido nos corredores. Quando eu morrer, acho que ela vai ficar com muita saudade de mim. Mas eu não tenho medo de morrer, tio. Eu não nasci para esta vida!

Pensando no que a morte representava para crianças, que assistem seus heróis morrerem e ressuscitarem nos seriados e filmes, indaguei:
- E o que morte representa para você, minha querida?
- Olha tio, quando a gente é pequena, às vezes, vamos dormir na cama do nosso pai e no outro dia acordamos no nosso quarto, em nossa própria cama não é?
(Lem brei minhas filhas, na época crianças de 6 e 2 anos, costumavam dormir no meu quarto e após dormirem eu procedia exatamente assim.)
- É isso mesmo, e então?
- Vou explicar o que acontece, continuou ela: Quando nós dormimos, nosso pai vem e nos leva nos br aços para o nosso quarto, para nossa cama, não é?
- É isso mesmo querida, você é muito esperta!
- Olha tio, eu não nasci para esta vida! Um dia eu vou dormir e o meu Pai vem me buscar. Vou acordar na casa Dele, na minha vida verdadeira!

Fiquei boquiaberto, não sabia o que dizer. Chocado com o pensamento deste anjinho, com a maturidade que o sofrimento acelerou, com a visão e grande espiritualidade desta criança, fiquei parado, sem ação.
- E minha mãe vai ficar com muitas saudades minha, emendou ela.
Emocionado, travado na garganta, contendo uma lágrima e um soluço, perguntei ao meu anjo: - E o que saudade significa para você, minha querida?
- Não sabe não tio? Saudade é o amor que fica!

Hoje, aos 53 anos de idade, desafio qualquer um dar uma definição melhor, mais direta e mais simples para a palavra saudade: é o amor que fica!

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Dor. Simplesmente isso. Dor

Quando vem a dor, você não reage, nenhuma posição melhora, o que se tem a fazer é esperar passar.

Ela pode vir de repente, te paralisa, te danifica, te amortece. Você fica imune, frágil e sem pensamento, você não pensa, só sente e sente muito. Sua frio, sente frio, sente calor, sente sente e sente, mas nada pode se fazer, somente esperar que ela passe. Enquanto isso, suas forças vão embora, sua energia vai a luta contra essa dor para que você não a sinta mais e com isso vem a fraqueza.

Felizmente uma hora ela passa, suas energias voltam a circular em seu corpo e sua vitalidade começa a surgir novamente. A vida passa a lhe sorrir.

Às vezes é necessário passar por dores para entendermos ou até mesmo aprendermos a lição. Tem uns que aprendem pelo amor mas a maioria só aprendem pela dor.

A dor dilacera, mas ensina. Entretanto, nem sempre precisamos passar por isso para aprender.

Boas reflexões.

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Respeito

Todos querem respeito certo?
Mas todos respeitam?
Para termos respeito não é preciso impor, simplesmente respeitar em primeiro. Respeitar a si próprio e respeitar ao próximo.
Falando assim parece fácil, mas muitos confundem respeito com ego. É aí que as coisas complicam, é aí que começam a confundir respeito com imposição. Respeito com imposição não é respeito, é uma ilusão daquele que pensa que é respeitado, mas no fundo não o é.
Passamos para a prática, no ambiente de trabalho por exemplo, você vai respeitar aquele que em primeiro te tratou com cordialidade e que se mostrou uma pessoa prestativa e confiável. Pois respeito é confiança e confiança é acreditar.
Por isso quando eu digo: eu te respeito, é o mesmo que dizer... eu acredito em você.
Pesado, não? Por isso quando você for querer respeito de alguém, analise antes se você vai aguentar essa carga, pois alguém estará depositando fichas em você.

Pensou que seria fácil? ;)

Boas reflexões.

Namastê

domingo, 25 de abril de 2010

Por que os jovens estão morrendo?

É cada dia mais notório que os jovens estão envelhecendo precocemente. Muitos adquirindo doenças como câncer em uma idade que nem sequer passaria pela cabeça.

Por que isto acontece?

Seria o mundo que anda tão louco e desvairado, exigindo cada vez mais de tudo e de todos?

Nós seres humanos damos conta do recado? Aliás, recado para quê?

Para quê tanta pressa? Para quê tantos recados? Para quê tantas exigências?

É muita coisa que se passa em nossas mentes que esquecemos de cuidar de nossos corpos, de nossa vida. Falta compaixão, principalmente por nós mesmos.

Respeite-se, antes que seja tarde demais.

Boas reflexões.

Namastê

domingo, 18 de abril de 2010

O poder de uma amizade

Hoje em dia o mundo anda muito corrido, não?

Tempo para relacionamentos? Bobagem... As amizades rolam de acordo com a rotina em que você vive. Mas são eles amigos de verdade? Aqueles que sabemos que podemos contar a qualquer hora e a qualquer momento? Será que são mesmo?

Enfim, muitas vezes os são, mas podemos nos enganar, pois nunca temos tempo para pensar nos amigos de verdade.

Você abriria mão de sua carreira por um amigo? Tipo, você teria êxito as custas de um amigo, mesmo sabendo que perderia sua amizade?

O que é uma amizade mesmo?

Um bom exemplo de amizade é o filme "Mary e Max - uma história diferente".

Boas reflexões.

P.S. Para aqueles que você julga seus amigos, deixe um alô.

domingo, 11 de abril de 2010

Mães más

Esse texto não é de minha autoria, mas é muito interessante!
Boas reflexões

Um dia, quando meus filhos forem crescidos o suficiente para entender a lógica que motiva os pais e as mães, eu hei de dizer-lhes: eu os amei o suficiente para ter perguntado aonde vão, com quem vão e a que horas regressarão.

Eu os amei o suficiente para não ter ficado em silêncio e fazer com que eles soubessem que aquele novo amigo não era boa companhia.

Eu os amei o suficiente para os fazer pagar as balas que tiraram do supermercado ou revistas do jornaleiro, e os fazer dizer ao dono: "Nós
pegamos isto ontem e queríamos pagar".

Eu os amei o suficiente para ter ficado em pé junto deles, duas horas, enquanto limpavam o seu quarto, tarefa que eu teria feito em 15 minutos.

Eu os amei o suficiente para os deixar ver além do amor que eu sentia por eles, o desapontamento e também as lágrimas nos meus olhos.

Eu os amei o suficiente para os deixar assumir a responsabilidade das suas ações, mesmo quando as penalidades eram tão duras que me partiam o coração.

Mais do que tudo, eu os amei o suficiente para dizer-lhes não, quando eu sabia que eles poderiam me odiar por isso (e em momentos até odiaram).

Essas eram as mais difíceis batalhas de todas.

Estou contente, venci. Porque no final eles venceram também!

E em qualquer dia, quando meus netos forem crescidos o suficiente para entender a lógica que motiva os pais e as mães, quando eles lhes perguntarem se sua mãe era má, meus filhos vão lhes dizer: "Sim, nossa mãe era má. Era a mãe mais má do mundo."

As outras crianças comiam doces no café e nós tínhamos que comer cereais, ovos e torradas.

As outras crianças bebiam refrigerante e comiam batatas fritas e sorvete no almoço e nós tínhamos que comer arroz, feijão, carne, legumes e frutas.

Ela nos obrigava a jantar à mesa, bem diferente das outras mães que deixavam seus filhos comerem vendo televisão.

Ela insistia em saber onde estávamos a toda hora (tocava nosso celular de madrugada e "fuçava" nos nossos e-mails).

Era quase uma prisão.

Mamãe tinha que saber quem eram nossos amigos e o que nós fazíamos com eles. Insistia que lhe disséssemos com quem íamos sair, mesmo que demorássemos apenas uma hora ou menos.

Nós tínhamos vergonha de admitir, mas ela "violava as leis do trabalho infantil".

Nós tínhamos que tirar a louça da mesa, arrumar nossas bagunças, esvaziar o lixo e fazer todo esse tipo de trabalho que achávamos cruéis. Eu acho que ela nem dormia à noite, pensando em coisas para nos mandar fazer. Ela insistia sempre conosco para que lhe disséssemos sempre a verdade e apenas a verdade e, quando éramos adolescentes, ela conseguia até ler os nossos pensamentos.

A nossa vida era mesmo chata.

Ela não deixava os nossos amigos tocarem a buzina para que saíssemos, tinham que subir, bater à porta, para ela os conhecer.

Enquanto todos podiam voltar tarde à noite, com 12 anos, tivemos que esperar pelos 16 para chegar um pouco mais tarde, e aquela chata levantava para saber se a festa foi boa (só para ver como estávamos ao voltar).

Por causa de nossa mãe, nós perdemos imensas experiências na adolescência:
nenhum de nós esteve envolvido com drogas, em roubo, em atos de
vandalismo, em violação de propriedade, nem fomos presos por nenhum crime. Foi tudo por causa dela.

Agora que já somos adultos, honestos e educados, estamos a fazer o nosso melhor para sermos "pais maus", como minha mãe foi.

Eu acho que este é um dos males do mundo de hoje: não há suficientes "mães más".


Dr. Carlos Hecktheuer - Médico Psiquiatra

domingo, 4 de abril de 2010

Feliz Páscoa!

A Páscoa nos lembra chocolates, mas a maioria pensa no real significado?

A quaresma é uma época de purificação, alguns não comem carne vermelha - hoje em dia a maioria nem lembra disso - mas digamos que para muitos não comer carne vermelha seria muito fácil. Tem pessoas que ficaram sem comer aquilo que mais gosta, como por exemplo: chocolate.

É interessante, pois seria como um sacrifício pela data, acho louvável, pois nos faz refletir um pouco, mas sabe o que é mais interessante? Quando acaba você não consegue voltar com a força total, volta aos poucos e no fundo percebe que não é tão dependente o quanto achava que era.

É um exercício muito bacana e ainda acho que não precisamos esperar a quaresma do ano que vem para nos sacrificarmos, podemos começar hoje mesmo. Em vez de sair gastando e comprando tudo compulsivamente, que tal simplesmente sair sem o cartão de crédito? Verá que consegue entrar e sair do shopping com as mãos vazias.

Quando preenchemos o vazio com matéria o resultado é imediato, porém continuará vazio.

Boas reflexões

Namastê

segunda-feira, 22 de março de 2010

Você tem medo de quê?

Medo, uma palavra que realmente mete medo. Mas vamos parar para analisar, do que temos medo? Do que realmente vale a pena de ter medo?

  • Medo de perder o emprego? Depois de um tempo, com determinação outra coisa aparece.
  • Medo de perder o companheiro(a) para outra pessoa? Esse é o pior, nos mostra o tamanho de nossa carência e a falta de amor próprio. É o primeiro passo para começar a perder...
  • Medo de ficar pobre? Está na hora de rever seus valores
  • Medo de se machucar? Por acaso é feito de vidro?
  • Medo da morte? É a única coisa de que temos certeza.
  • Medo de não conseguir? Já tentou?

O medo faz parte de nossa defesa, muitas vezes pode nos salvar de enrascadas, pois você não vai se meter a andar sozinho(a) em plena madrugada, certo? Muitas vezes pode paralisar e você pode perder boas oportunidades.

Ter medo é diferente de sentir medo. O ter pode ser algo permanente para qualquer coisa que possa aparecer, sentir pode ser algo ligado ao momento que está passando e é natural.

Saiba refletir sobre seus medos, nem sempre perder é realmente perder, muitas vezes nas perdas é que ganhamos e muitas vezes nos ganhos é que perdemos. Tudo é relativo, vai depender de seu ponto de vista.

Medo, faz parte de sua vida, mas não faça desse sentimento algo que lhe paralise ao ponto de lhe prejudicar.

Siga em frente, faça a sua parte, o resto vem.

Namastê

segunda-feira, 1 de março de 2010

Você anda reclamando?

Reclamar, fazemos isso quando algo, alguém, algum acontecimento nos incomoda. Mas já parou para analisar se tudo o que reclamamos é realmente merecedor disso?

Exemplos: se você comprar algo que está violado, mas quando você comprou não tinha como saber, é caso de reclamar. Entretanto, se você está em sala de aula e não está conseguindo aprender, às vezes é caso de reclamar e as vezes não.

Como assim? Se reclamarmos de tudo e a todo momento, a gente vicia e daí tudo que não nos agrada... reclamação. Na maioria das vezes nós somos os culpados de algo não dar certo. Pode ser por uma falta de atenção, ou falta de empenho, ou até mesmo falta de conhecimento. É fácil perguntar sempre, mas nem sempre as respostas estão prontas e aí meu caro leitor é a hora da gente arregaçar as mangas e seguir em frente. O papel do professor é instruir, ensinar a pescar e não lhe dar o peixe. Mas muitos alunos e pais de alunos acham que o papel do professor é educar - coisa que deve vir de casa - entregar mastigado, para o aluno somente engolir.

Hoje em dia a falta de respeito é cada vez maior, críticas são bem-vindas, mas nem sempre as críticas são construtivas, são destrutivas impedindo o desenvolvimento humano.

Por isso, antes de reclamar, pense duas ou três vezes e reflita se realmente vale a pena, todos nós somos humanos e os humanos erram.

Boas reflexões...

Namastê

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Ressurgir das cinzas

Hoje, quarta-feira de cinzas... nada como um novo começo.

Depois de tanta folia, ou depois de um bom descanso ou de qualquer outra coisa que possa ter passado neste período tão aguardado, agora é a hora de começar para valer. Para quem o ano ainda não começou é a hora de levantar, sacudir a poeira e dar a volta, por cima ou por baixo.

Como a maioria tem visto, desde que 2010 começou muita desgraça e mortes aconteceram, será que agora os deuses darão um trégua? Será que nós daremos uma trégua em nossas vidas?

Seja cabalístico, religioso... mas para muitos o ano começa agora, e com ele vem aquele sentimento de esperança, de que algo pode melhorar. O mais importante é você ter sempre isso contigo, recomeçar sempre, indiferente da data, mas conectado com a sua vida e com a sua essência.

Se você cair, levante-se, se você se levantar ajude o outro que está caído. Deixe fluir, deixe rolar, muitas questões ainda não estão prontas para serem respondidas, por isso, segure a ansiedade e aguarde. Só não pare de caminhar, continue dando seu passo de cada vez, cada passo dado é uma etapa vencida, mesmo que pareça insignificante, pois nunca o é.

Das cinzas vem o novo, que sejamos todos Fênix neste recomeço.

Um bom ano!
Namastê

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Ler ou julgar uma pessoa?

A maioria das pessoas julgam um ser humano, assim que o conhece, antes de conhecê-lo, depois... enfim, qualquer ação que esse indivíduo faça que não agrade a um grupo ou a qualquer outro ser, já será julgado.

Em algum momento as pessoas param para ler uma pessoa?

Como assim?

Em vez de julgar seus atos, que tal se colocar no lugar dele, que tal tentar entender os motivos deste ser agir de tal forma, que tal simplesmente deixar o tempo passar e fluir para que você o conheça melhor?

Quem sabe, sua opinião pode mudar. Essa história dos "santos não baterem" acontece, mas será que não bate mesmo ou é você que se fechou para tal? Será que não veio um pré-julgamento e disso se formou uma opinião?

As opiniões provem de algo que você lê ou julga? Como julgar um conhecimento? Sei que pela leitura adquiri-se conhecimento, mas adquiri julgamento?

Um terapeuta nunca julga seu paciente, por mais absurdos que o paciente diga ou faça, pois todos estão em seu direito de ser, entretanto o terapeuta lê este ser, para entender o que aflige a mente e a vida do paciente.

Se todos aprenderem a ler as pessoas em vez de julgá-las o mundo seria muito mais interessante e solidário, o mundo seria mais verdadeiro, pois à partir de uma leitura bem feita opiniões e atitudes mudam e podem ter certeza que sempre será para o melhor. Mesmo que esta leitura os leve a se afastar deste ser ;)

Você julga ou lê um livro?

Boas reflexões

Namastê

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Simplesmente seguir em frente...

Às vezes deparamo-me em meu caminho, de repente parece que as coisas não fazem mais sentido, será que errei?

Antes parecia tudo tão simples e agora não sei mais para onde ir. Pensamentos invadem minha mente, o que eu faço agora? Sigo em frente? Recuo? Viro para que lado? Dúvidas, muitas dúvidas...

Muitas vezes essas questões aparecerão em seu caminho, se você não estiver certo de que está no caminho, fatalmente mudará em um piscar de olhos. Já se arrependeu de algo que mudou?

A mente faz isso conosco, ela insere muitas dúvidas, questões... tudo para lhe confundir. Não que ela queira o seu mal, mas é o papel dela, afinal, esse mundo anda tão louco... qual mente não ficaria atordoada?

É nessa hora que precisa ter muita calma, respirar, respirar e quando achar que está bom, respirar novamente.

Quando o caminho é o certo, os princípios, a vontade e o ânimo, não tem como dar errado. É preciso ACREDITAR! Perceba, quando você - nas melhores das intenções - se afastar de algo intuitivamente, veja se não tem algo de errado. As nossas energias estão em sintonia com o universo, por isso calma, quando você não estiver mais no caminho, a vida dará um jeito para você entrar nos trilhos.

Faça a sua parte: simplesmente seguir em frente :)

Namastê

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Ação e reação

Todos conhecem bem isso, mas muitas pessoas, inclusive aquelas que trabalham com energia e/ou de alguma forma estão em contato com isso, às vezes se esquecem. Ok, errar é humano e todo ser humano está propenso a isso.

Entretanto, cabe a nós, sempre que possível lembrar da "ação e reação", pois a energia que geramos é a mesma que receberemos. Então note, quando algo começar a ir mal, ou não der certo... reflita sobre como você está gerando a sua energia em relação a você e aos outros. Fatalmente saberá a resposta.

É necessário ter muita humildade para encarar os fatos e mudar, pois muitas vezes a gente não quer ver. É duro, mas se conseguirmos, sempre que possível, ver, nos respeitar e agir, a energia voltará da mesma forma que emitirmos.

A causa é você, o problema é com você, a letargia em sua vida é você.

Por isso, levanta, sacode a poeira e siga em frente! Com os olhos, os ouvidos bem abertos e a boca bem fechada :)

Boas reflexões
Namastê

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Eu tb estou no twitter!

Pois é pessoal, não resisti e entrei. :)

Lá deixarei mais toques, ou pensamentos rápidos.
Sintam-se a vontade em minha outra nova casa.

Namastê

O ópio continua...

Desde os primórdios da existência humana existiu-se o ópio, aquilo que os superiores criaram para apaziguar a massa. Apesar de toda tecnologia que nosso mundo adquiriu, o ópio continua firme e forte. Um belo exemplo disso é a velha nova empreitada da TV Globo, o BBB sei lá que geração está, um texto ótimo sobre isso você pode encontrar no blog 3xtrinta. Vale a pena conferir, um texto inteligente e aterrorizador em relação ao que está se produzindo.

Por que essa porcaria dá tanta audiência?

Porque é o ópio do povo. No mundo "real" desgraça é pouca, então o melhor é se divertir com a desgraça alheia, pois as novelas e os filmes não cumprem mais esse papel.

É uma pena que não se investe em programas que ajudem o indivíduo a elevar-se, pois a maioria passa em horários horríveis ou nem existe, porque a massa quer ver é o circo pegar fogo! Até os telejornais de uns tempos para cá estão muito mais sensacionalistas do que informativos. Tudo bem, existe a desgraça ambiental onde a natureza devolve o que o homem tem feito com ela há muito tempo. É preciso informar, mas eles escolhem a dedo um assunto e ficam mastigando, ruminando... até não sobrar nada e ainda assim ficam ganhando em cima dessa informação. Eles "comunicam" até sentir que a população não aguenta mais ouvir sobre isso.

Enfim, essa é a ERA em que vivemos, a comunicação atual mudou completamente o seu objetivo e sentido, onde as pessoas abrem cada vez mais suas vidas e todos querem ser celebridades, aumentando o seu "ego", como se isso fosse a coisa mais importante do mundo.

A sociedade virou uma máquina de sociopatas e psicopatas, onde filhos tramam o assalto de seus próprios pais, onde pais matam seus filhos... tudo isso em nome do dinheiro, do poder e até mesmo de audiência, por que não?

Não é a toa que cada vez mais surgem pessoas percorrendo o caminho inverso, procurando uma luz nesse emaranhado mundo sombrio e assustador.

Boas reflexões

Namastê

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

O espírito do dinheiro

Você sabia que o dinheiro tem espírito?

Não se preocupe, não é mais um texto esotérico, aliás que mal seria se fosse?

Ano passado recebi a dica deste livro, custei a encontrar, mas enfim, chegou e eu o comi em um dia! Tudo bem, já tem muita coisa que eu já praticava, mas tem umas dicas bem interessantes. Leitura fácil e bem fluida.

É interessante como a visão da gente muda, tudo é questão de analisar o que e como fazer, a energia muda completamente.

Não vou relatar o livro inteiro no blog, mas tem algo de muito interessante que quero dividir com você. É sobre doação e poupar. Sempre pensamos: "Só poderei doar quando tiver, ou só poderei poupar quando tiver..." Besteira, se for esperar nunca vai ter e a energia não circulará.

O dinheiro, neste livro, é uma forma de conseguir realizar sua missão, ele não é a sua missão. É um meio e não um fim.

Quando você doa, você está ajudando o universo, pois estará ajudando um outro ser a se desenvolver a elevar-se de nível. Quando a gente consegue elevar os outros a gente também se eleva.

Ok, mas peraí, não vai ficar distribuindo dinheiro a qualquer morador de rua que encontrar. A idéia é ajudar o outro a se evoluir, certo? Se você der esmolas, estará contribuindo para que o mesmo continue a pedir esmolas e a não se desenvolver espiritualmente, mentalmente e nem fisicamente. Além de atrasar a vida do outro, estará atrasando a sua vida também, pois é esta energia que estará jogando ao Universo.

Reflita e pense como pode mudar para melhorar a sua energia e o seu espírito com o dinheiro!

Para quem tiver interesse: O Espírito do Dinheiro - Júlio Sampaio de Andrade

Namastê

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Ninguém é insubstituível, mas ninguém pode te substituir

Ninguém é insubstituível quando falamos no campo profissional, amoroso...

Por isso existem tantas pressões e estress, é aquela história, se não está satisfeito, tem mais dez na lista para ocupar o seu lugar - por isso viva mais a vida e não se dedique tanto ao trabalho, viva a sua VIDA! Saiba delegar, pois a vida não espera ;)

Graças a Deus você não é o único que existe na face da terra, caso contrário, como daria conta de dar amor a todos? Se não deu certo o seu relacionamento, ainda vai encontrar a pessoa que possa preencher esse vazio.

Agora, ninguém pode te substituir em seus compromissos e afazeres. O que é seu... ninguém tira, tanto a parte boa, como a parte ruim. Faça o que é para você fazer, apenas o que é seu, não vá pegar afazeres dos outros. Se isso acontecer, depois não reclame. Não culpe ninguém daquilo que era seu, assuma seus compromissos, não tenha medo. Errar é humano, não assumir o erro é pior que errar.

Tente, erre, recomece... mas FAÇA! Faça acontecer e aconteça! Substitua o que não lhe serve mais para aquilo que lhe faz muito gosto, jogue fora o que te atrapalha a abrace a sua causa!

É o que desejo para todos nós em 2010!

Namastê