terça-feira, 30 de novembro de 2010

Ensinamento indiano

Na Índia se ensina as « Quatro Leis da Espiritualidade »


A Primeira Lei diz: « A pessoa que chega é a pessoa certa ».

Significa que nada ocorre em nossas vidas por casualidade. Todas as pessoas que nos rodeiam, que interagem conosco, estão ali por uma razão, para que possamos aprender e evoluir em cada situação.


A Segunda Lei diz: « O que aconteceu é a única coisa que poderia ter acontecido. »

Nada, absolutamente nada que ocorre em nossas vidas poderia ter sido de outra maneira. Nem mesmo o detalhe mais insignificante! Não existe: "se acontecesse tal coisa, talvez pudesse ter sido diferente...". Não! O que ocorreu foi a única coisa que poderia ter ocorrido e teve que ser assim para que pudéssemos aprender essa lição e então seguir adiante. Todas e cada uma das situações que ocorrem em nossas vidas são perfeitas, mesmo que nossa mente e nosso ego resistam em aceitá-las.


A Terceira Lei diz: « Qualquer momento que algo se inicia, é o momento certo. »

Tudo começa num momento determinado. Nem antes, nem depois! Quando estamos preparados para que algo novo aconteça em nossas vidas, então será aí que terá início!


A Quarta e Última Lei diz: « Quando algo termina, termina! »

Simplesmente assim! Se algo terminou em nossas vidas, é para nossa evolução! Portanto é melhor desapegar, erguer a cabeça e seguir adiante, enriquecidos com mais essa experiência!


Mais um de texto da internet, espero que tenham gostado, boas reflexões!


Namastê

domingo, 28 de novembro de 2010

A Samambaia e o Bambu!!!

Texto recebido pela internet, espero que gostem ;)

Certo dia decidi dar-me por vencido. Renunciei ao meu trabalho, às minhas relações, e à minha fé. Resolvi desistir até da minha vida. Dirigi-me ao bosque para ter uma última conversa com Deus.

“Deus, eu disse: Poderias dar-me uma boa razão para eu não entregar os pontos?” Sua resposta me surpreendeu: “Olha em redor Estás vendo a samambaia e o bambu?” “Sim, estou vendo”, respondi. Pois bem. Quando eu semeei as samambaias e o bambu, cuidei deles muito bem.

Não lhes deixei faltar luz e água. A samambaia cresceu rapidamente. Seu verde brilhante cobria o solo. Porém, da semente do bambu nada saía. Apesar disso, eu não desisti do bambu. No segundo ano, a samambaia cresceu ainda mais brilhante e viçosa. E, novamente, da semente do bambu, nada apareceu.

Mas, eu não desisti do bambu.

No terceiro ano, no quarto, a mesma coisa…

Mas, eu não desisti. Mas… no quinto ano, un pequeno broto saiu da terra. Aparentemente, em comparação com a samambaia, era muito pequeno , até insignificante. Seis meses depois, o bambu cresceu mais de 50 metros de altura.

Ele ficara cinco anos afundando raízes. Aquelas raízes o tornaram forte e lhe deram o necessário para sobreviver.

“A nenhuma de meus filhos eu faria um desafio que elas não pudessem superar”
E olhando bem no meu íntimo, disse: Sabes que durante todo esse tempo em que vens lutando, na verdade estavas criando raízes? Eu jamais desistiria do bambu. Nunca desistiria de ti. Não te compares com outros”.
“O bambu foi criado com uma finalidade diferente da samambaia, mas ambos eram necessários para fazer do bosque um lugar bonito”. “Teu tempo vai chegar” disse-me Deus. “Crescerás muito!” Quanto tenho de crescer? perguntei. “Tão alto quanto puder e quiser!

Espero que estas palavras possam ajudar-te a entender que Deus nunca desistirá de ti.

Nunca te arrependas de um dia de tua vida. Os bons dias te dão felicidade. Os maus te dão experiência.
Ambos são essenciais para a vida. A felicidade te faz doce. Os problemas te mantêm forte. As penas te mantêm humano. As quedas te mantêm humilde. O bom êxito te mantém brilhante. Mas, só Deus te mantém caminhando...

Boas reflexões!

Namastê

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Zanshin

A palavra "Zanshin" é muito utilizada em artes marciais e alguns de seus significados são: prontidão, estar alerta e ao mesmo tempo relaxado e também estar presente sem estar tenso. Parece complicado, complicado não o é, é simples, mas está longe de ser fácil.

Hoje em dia estar "presente" é uma tarefa não muito fácil, em virtude da correria e desta ansiedade tamanha que envolve toda a atmosfera em que vivemos. O dilema atual é entregar agora o que era para ontem e assim por diante. Desta forma diria que é praticamente impossível vivenciar esta experiência de prontidão.

Os monges budistas praticam diariamente este estado de prontidão. Percebem como eles são calmos? Onde existe serenidade, existe "zanshin".

Darei um exemplo que talvez possa explicar um pouco do que é o "zanshin". Qualquer um de nós já esteve presente em algum exame, certo? Contarei a história de uma pessoa que era examinando de troca de faixa da arte marcial chamada "Aikido". No "Aikido" é preciso ter um parceiro(a) para "cair" para você, pois não se pratica esta arte sozinho, assim dizia "O-Sensei". A pessoa que executa a técnica (o examinando) chama-se "naguê" e o que cai "ukê".

Voltando a nossa história, esta pessoa não tinha um "ukê" desde quando iniciou seu treinamento, nos últimos momentos encontrou aquela que seria o "ukê" perfeito, total sintonia, conexão, flexibilidade, solidariedade... enfim, tudo o que um "naguê" pede para ele mesmo. O pré-exame foi realizado na academia onde treina e foi o melhor pré-exame feito em toda a sua vida, feito com precisão, concentração e foco. Dito isto, todos dormiram felizes para o dia seguinte. Dia do exame, seu "ukê" impossibilitado de cair, e agora? Com duas outras opções o "naguê" partiu para a escolha, era muito para ele decidir algo, deixou para o destino. Assim prosseguiu o exame, envolto de emoções, precisão, foco e controle. Tudo correu muito bem. Este "naguê" que antes pensava estar preparado para uma coisa, viu-se que estava preparado para qualquer coisa, isso é "Zanshin".

Treinar para o que é certo é fácil, treinar para o que vier é "zanshin", é estar preparado para qualquer coisa, é estar presente para qualquer acontecimento, encontrar as saídas e as soluções para os problemas. É estar atento, sem estar tenso. Deixar fluir, para assim conseguir perceber.

"Zanshin" - estado de prontidão para o que vier, sem estar tenso. É o que desejo a vocês hoje e sempre.

Boas reflexões.

sábado, 20 de novembro de 2010

Viver ou juntar dinheiro?

Texto de Max Gehringer.

Há determinadas mensagens que, de tão interessante, não precisam nem sequer de comentários.

Como esta que recebi recentemente. Li em uma revista um artigo no qual jovens executivos davam receitas simples e práticas para qualquer um ficar rico. Aprendi, por exemplo, que se tivesse simplesmente deixado de tomar um cafezinho por dia, nos últimos quarenta anos, teria economizado 30mil reais. Se tivesse deixado de comer uma pizza por mês, 12 mil reais. E assim por diante. Impressionado, peguei um papel e comecei a fazer contas. Para minha surpresa, descobri que hoje poderia estar milionário. Bastaria não ter tomado as caipirinhas que tomei, não ter feito muitas viagens que fiz, não ter comprado algumas das roupas caras que comprei. Principalmente, não ter desperdiçado meu dinheiro em itens supérfluos e descartáveis. Ao concluir os cálculos, percebi que hoje poderia ter quase 500 mil reais na minha conta bancária. É claro que não tenho este dinheiro. Mas, se tivesse, sabe o que este dinheiro me permitiria fazer? Viajar, comprar roupas caras, me esbaldar em itens supérfluos e descartáveis, comer todas as pizzas que quisesse e tomar cafezinhos à vontade. Por isso, me sinto muito feliz em ser pobre. Gastei meu dinheiro por prazer e com prazer. E recomendo aos jovens e brilhantes executivos que façam a mesma coisa que fiz. Caso contrário, chegarão aos 61 anos com uma montanha de dinheiro, mas sem ter vivido a vida. “Não eduque seu filho para ser rico, eduque-o para ser feliz. Assim ele saberá o Valor das coisas e não o seu Preço."

Que tal um cafezinho?