sexta-feira, 21 de novembro de 2008

A minha, a sua, as nossas diferenças

Todos nós somos diferentes, isso é fato. Mas todos nós sabemos lidar com as diferenças dos outros?

Uma coisa que estou aprendendo com a arte marcial (sou aikidoísta e rumo à faixa verde - eeee!!!) é a paciência. Qualquer arte marcial tem a troca de faixa, que nada mais é que uma apresentação que você faz para uma banca (todos faixas pretas) e lá eles dizem se você passou ou não (ui que meda). Entretanto, nesses treinos para a troca de faixa acontece o famoso "processo", onde cada um sente de uma forma e vive esse momento tão delicado. O Aikido não é uma arte individual, você precisa do outro para que algo aconteça. É aí que a coisa complica, pois cada um é diferente do outro, cada um sente diferente, interpreta e age de formas diferentes.

É duro você vivenciar tudo isso e querer ajudar, pois será que essa pessoa quer a sua ajuda? Tem que saber lidar com isso. Qual é a hora certa de falar e de se calar? Como agir? Vou em frente assim mesmo? O que está se passando na cabeça daquele ser? O que está se passando na minha cabeça? Que sentimentos locos são esses que afloram na minha pele? Por que estou tão irritada com aquele ser? Muitas questões em tão pouco tempo, muito trabalho a fazer em tão pouco tempo. Caramba, porque eu me meto nesse trem pra ficar mais estressada? Já não basta a vida?

É aí que está a beleza desse trem todo. Pois esses processos acontecem para vermos que todos nós somos diferentes caminhando juntos, isso vale pra vida. Ninguém será como a gente e nem farão as coisas que faríamos, nós idem. Saber respeitar o outro do jeito que ele é, com suas qualidades, defeitos é algo muito difícil. É o lance de colocar os óculos do outro. Cada um tem um corpo diferente do outro, cada um sente as dores do seu jeito, cada um tem um ritmo de vida diferente. É difícil mesmo se colocar no lugar do outro, é claro que tem o lance de essência de cada um. Para uns é pegar na hora mesmo o que tem que ser feito e ver no que vai dar, para outros o planejamento, o começar a treinar antes é primordial. Cada um do seu jeito e no final tudo é alegria.

Somos diferentes sim, graças a DEUS, só peço muita paciência comigo mesmo e com os outros que cruzarem o meu caminho, pois conflitos sempre existirão, divergências nem se fale. Respeitar o próximo já é o suficiente, não tente entender, pois o ser humano é um ser muito complexo. Tentemos simplificar a vida e não nós mesmos.

Viva às diferenças para o desenvolvimento humano!

Namastê

terça-feira, 18 de novembro de 2008

É fácil ser simples ou é simples ser fácil?

Na minha opinião nem um e nem outro, SER simples dá trabalho, pois nós seres humanos temos a capacidade de complicar tudo. É mais fácil complicar do que tentar entender, compreender, simplesmente ser. A maioria acha que TER é mais importante que SER, e muitas vezes trocam os pés pelas mãos. O caminho simples é muito mais difícil, pois para chegar até aí, é necessário comer muita areia, é necessário abrir mão de muitas coisas.

Calibrar nossa visão para o simples dá trabalho, pois não é somente mental, é sentir com o corpo, é compreender com o coração a importância das coisas. Pois, muitas vezes esperamos muito dos outros, principalmente de nossos mestres, gerando expectativas em cima de seres humanos como nós, que erram, que acertam e que vivem como um cidadão qualquer. É um pecado de nossa parte colocarmos tanta carga em cima desses seres que na verdade só chegaram antes de nós, um dia seremos mestres de alguém, seria justo os outros jogarem essa carga em cima de nós? Este é um exemplo de visão que complica, que magoa e que destrói nosso coração. A visão simples que dá trabalho, seria algo do tipo: "Quantas pessoas esse mestre tocou? O que cada ser se desenvolveu depois da passagem desse mestre? Qual o seu legado?" Essa é a visão mais correta e muito mais difícil de compreender, mas depois que a gente chega até aí, tudo se transforma, seu olhar, seus sentimentos afloram para o bem e isso muda tudo.

Sou aikidoísta e prestes a fazer o exame de faixa verde "sankyo" e o treino de hoje tocou-me, pois o treino inteiro foi em cima da série que terei que apresentar no dia do exame, fiz questão de treinar com todos os presentes (detalhe: todos mais graduados que euzinha) e cada um fez questão de ensinar-me com muita paciência e carinho. Foi um presente pra mim, deu-me muito mais ânimo e vontade de fazer este exame, esse é o legado de nosso mestre, é nisso que a gente tem que acreditar e continuar nosso caminho.

O que seus mestres já fizeram por você?

Agarre-se nisso e seja cada dia mais SIMPLES.

Namastê

Ócio criativo

Vocês já ouviram falar em Domenico De Masi? Foi através dele que eu ouvi pela primeira vez sobre o Ócio criativo, confesso que comprei o livro e ainda não terminei de lê-lo. Entretanto o assunto que venho a tratar é sobre o ócio e como ele pode ser criativo sem neuras e culpas.

Não faz muito tempo que virei autônoma e para uma taurina que gosta de tudo planejado, foi uma mudança radical em todos os sentidos. Não saber o que fará amanhã e simplesmente ter que sair correndo para um atendimento foi um desafio e tanto, contudo, não tenho o que reclamar desta vida. Pois hoje sou um ser que vive a vida, e estou aprendendo a viver sem culpa nesta cidade que não pára, onde todos saem cedo para trabalhar e eu saio cedo ou não para caminhar, correr e praticar exercícios. Tudo bem que eu também tenho atendimentos de manhã, mas não é todo dia.

No começo eu me sentia mal de ficar caminhando e ver as pessoas do prédio me olhando, eu pensava: Será que eles pensam que eu sou uma folgada? Com o tempo desencanei, pois a caminhada e a corrida, tem me feito muito bem, então... danem-se os outros hehehe. Hoje eu faço meus exercícios, pois meu trabalho pede uma atividade física, vou na acupuntura pela manhã, fico até as onze, depois vou passear no bairro da Liberdade, coisa que eu ADORO, paro em alguns lugares para conversar com as pessoas e chego em casa bela e feliz :) Tem dias que eu não tenho um atendimento, então eu aproveito para ler, fazer uma numerologia, brincar com o neto da minha vizinha (ele é um fofo e tem dois anos), dormir de tarde... enfim... imaginem o que quiserem, tudo isso sem culpa.

Por que estou falando tudo isso?

É para você que se sente culpado(a) por viver, por às vezes não ter o que fazer e enlouquece, simplesmente porque os outros estão ocupadérrimos sem tempo de ir ao banheiro (quantas vezes você deixou de fazer xixi, porque estava trabalhando?) Hello!!!!!!!!! É a sua necessidade física! Você tem que almoçar decentemente, sem falar de trabalho, tem que fazer xixi, beber água (tem gente que deixa de beber água para não ter que ir tanto ao banheiro - um absurdo!), não tem que fazer hora extra, e se tiver trânsito, combine com seus amigos de ir para um bar até melhorar o trânsito. Mas não fique trabalhando por horas e horas, isso nunca vai acabar, o que vai acabar são seus neurônios e a sua paciência, sem contar das dores musculares que sentirá de tanto ficar sentado na frente do computador e sendo sugado por esse monstro de infinitas "janelas".

E se um dia você ver que seu trabalho acabou, vai embora, ou pegue um livro, jogue paciência, mas não enlouqueça procurando coisa pra fazer. É preciso trabalhar com QUALIDADE de trabalho e não QUANTIDADE de trabalho, coisas muito distintas. E ignore, simplesmente risque do mapa de sua vida, aqueles pentelhos que ficam mensurando horas de trabalho, que acham que produtividade é o tempo que você fica com a bunda na frente do computador. Dessas pessoas tem que ter muita pena, ainda não aprenderam a viver, talvez nuncam tenham amado antes... Esses ainda têm muito o que aprender na vida, mas como eu digo sempre: "Um passo de cada vez e tudo no seu tempo."

É isso galera, vamos viver mais, ser mais felizes, respeitar os outros, mas primeiramente respeitar a você mesmo, encontrando seus limites e estar feliz sempre que puder e desejar!

Você não é uma máquina e até as máquinas tem seu prazo de uso. Seremos mais humanos, seremos mais livres dessa sociedade que corrompe a arte do bem viver!

Namastê

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

O que é maior?

Uma vez me disseram que pessoas muito gordas, são pessoas que querem expandir-se interiormente e como não conseguem acabam se expandindo fisicamente. Como se de alguma forma quisessem chamar a atenção.

Será isso verdade?

Não sei, e nem sei como comprovar isso e na verdade nem sei se concordo com isso, pois a maioria das pessoas que estão acima do peso, querem esconder esse tamanho, ou pelo menos pensam em emagrecer, ou fingem em querer e na verdade ficam se enganando. Para quem ainda não leu, tem um post sobre isso "A diferença entre a busca e o sonho".

Voltando ao assunto, o que é maior? Depende do ponto de vista de cada um. Ontem presenciei um acontecimento: exame de "shodan", traduzindo, pessoas que praticam a arte marcial de aikido e que ontem se apresentaram para tirar o título de faixa preta. É muito interessante assistir a esses exames, pois lá todos parecem tão grandes e ao mesmo tempo tão normais. Lá você consegue ver as fragilidades de cada um, o nervosismo e mesmo assim estão lá para serem faixas pretas, incrível. Alguns possuem mais energia que outros, dá pra sentir, entretanto, depois de horas sentada no banco de madeira e com a bunda quadrada, tem que ter muita energia no exame para chamar a atenção do público.

É difícil de explicar sobre esta energia na qual eu falo, pois não é palpável, nem muito menos mensurável, vai da observação do expectador. Pois eu assisti o exame de uma mulher, que para mim parecia uma samurai, achei lindo os movimentos e vi energia lá, em contrapartida outras pessoas mais graduadas que a pessoa quem vos fala, já acharam que ela não tinha energia... enfim, isso tudo para dizer que a energia está em todos nós e em cada observador.

Essa energia vale em tudo em nossa vida, para uma entrevista de emprego, para a conquista de uma pessoa, para fazer um bolo... colocar a nossa energia positiva em tudo o que fazemos é o canal, e muitas vezes por estarmos cansados, esquecemos que temos esse poder, nos enganando e nos sentindo fracos. Esquecemos de ver que somos grandes, não em tamanho e nem de EGO, mas grande de coração, de essência e de energia, boas energias. Segurar essa energia o tempo todo cansa, mas é preciso treino, um treino diário de bons pensamentos e limpeza mental, a meditação é primordial para isso.

Olhe para dentro, respire profundamente e lentamente...

Analise o que é maior dentro de você, sua grandeza, ou seu EGO. Essa será a energia que irá expandir. E saiba lidar com as frustrações, pois nem todos terão a sensibilidade de ver a sua energia, por isso, continue a sua caminhada ;^)

Todos nós somos velas, mas nem todas as velas estão acesas. Vamos iluminar o nosso caminho, iluminando de outras pessoas.

Namastê

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

O toque

Ao nascer um bebê qual a primeira coisa que vem a sua cabeça?

Ai, que gostosinho que vontade de morder! Daí a gente vê aquele pé que parece um pãozinho, dedinhos gordinhos, bochecha... Eu tinha uma professora no pré que mordia minha bocheca, ai que meda, eu chorava, porque doía muito, uma canibal eu diria, mas eu a adorava hehe.

Voltando ao assunto, então, a gente não fica com vontade de carregar, de mexer, de tocar, de acariciar... TOCAR e muito esse ser novo que inicia a sua jornada. Pois bem, qual foi a última vez que você tocou em seus avós?

É incrível como muitas pessoas se afastam de seus entes mais antigos. Só por que a pele não é mais tão macia? É enrugadinha? É diferente? Manchada?

Eles voltam a ser crianças, sentem falta do afeto, do carinho, do beijo, do abraço. Mas é aquele carinho que a gente dá de coração, com aquela vontade de pegar nossos velhinhos e enchê-los de beijos, assim como a gente faz quando vê um bebê.

O toque é algo formidável, e as pessoas, não somente os mais idosos, carecem desse carinho. Um passar de mão em seu rosto, é tudo o que você precisa pra começar ou terminar bem o seu dia. Outro dia recebi um carinho de uma criança de dois anos, ai que delícia. Viu como é bom ganhar carinho de alguém mais novo. Imaginem como nossos avós e pais ficariam se fizéssemos mais carinho neles. As pessoas não precisariam de tanto remédio para se curar. Pois esse tipo de dor, é afetivo, ainda não inventaram tal remédio, e nem precisa. É de graça e faz bem para ambos, é uma troca boa de energia que dois seres fazem um no outro.

Isso serve para os casais, às vezes o beijo de bom dia e de tchau já virou tão automático que passa desapercebido, é claro que se faltar, é algo estranho no ar, mas entenda, não é pra ser automático, é pra ser sincero, com vontade e com alegria no coração.

Nossa pele é um órgão, assim como nosso estômago, fígado, coração... Não é somente uma carapaça que nos protege, ela respira, transpira, sofre... Não é a toa que vem aquela expressão: "Hum, deve estar amando, tá com a pele tão boa..." A pele reflete nosso estado de espírito e mental. Tudo fica à flor da pele.

Vamos cuidar de nossa pele! Protegendo contra os raios solares, mas também cuidando de sua saúde espiritual, recebendo e dando muito carinho. Pois, carinho gera carinho, não é uma via de uma mão só. Aproveite esta semana que é sobre a Campanha do combate ao câncer de pele.

Namastê

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

A diferença entre a busca e o sonho

Como andam seus sonhos? O que você está fazendo para que os mesmos se concretizem?

Sabem qual a diferença entre a busca e o sonho?

Sonhar é muito bom, aliás é o que nos move muitas vezes a realizar esses desejos e anseios. Entretanto existem aqueles que só sonham e pensam que "buscam" algo.

Por exemplo:
- Ah eu quero emagrecer, é o meu sonho. Eu busco a vida saudável e a qualidade de vida.

Mas não faz uma reeducação alimentar, come besteira, não pratica atividade física... Você está realmente trabalhando para esse sonho se realizar? Está buscando mesmo?

Outro exemplo, mais bacana:
- Eu busco um amor na minha vida, é o que eu quero!

Mas não sai de casa, fica entulhada com pijamão assistindo TV até tarde da noite, sonhando com os filmes água com açúcar e com os príncipes encantados que na vida real mais se parecem com os sapos.

Então, está buscando mesmo? Pra mim você sonha com isso, mas está tão distante que parece impossível. - Ah melhor ficar sozinha.

Quer exemplo melhor do que aconteceu neste domingo? Ninguém acreditava que o Felipe Massa pudesse vencer o campeonato, por 20 segundos ele foi o campeão da temporada, perdeu por somente 1 ponto! O que vocês acham que ele é? Primeiro veio o sonho, mas ele ACREDITOU que realmente conseguiria, mesmo sabendo que todos pensavam em ser uma missão impossível. Foi quase campeão do campeonato, mas ele venceu a corrida, e venceu bonito em seu próprio país. Com essa atitude ele deu um pouco de esperança e fez renascer aquela vontade de assistir a essas corridas. Confesso que eu não assisto desde o falecimento de Ayrton Senna.

A busca vem acompanhada da fé e da esperança, sem esses ingredientes de nada sai dessa caixola que se chama mente e que fica inventando mil obstáculos e sonhos ao mesmo tempo, uma loucura essa nossa mente.

Não estou falando que não devemos sonhar. Precisamos sonhar sim e muito, mas separar o que realmente é sonho e o que é realizável, e ir em busca desta concretização. ACREDITAR e CONFIAR são duas palavras que cabem bem a esse sentimento de busca e realização. Pois de nada adianta ficar só na busca sem passos firmes a esta realização. Sem essas ferramentas sua busca virará um sonho impossível, gerando insatisfação, tristeza e amargura em sua vida.

Vamos trilhar os caminhos que nos são destinados com amor, confiança e paz.
Namastê