segunda-feira, 1 de junho de 2009

As cercas de nossas vidas

Já perceberam que vivemos cercados?

As cercas de nossas vidas, que nos limita, que nos pune, que nos prende. Cercas que originam-se de nossa consciência, sociedade, julgamentos...

Até chegar um belo dia e você resolve pular qualquer uma dessas cercas. Primeiro vem o sentimento de aventura, excitante, bacana... 

Pula uma vez, tudo bem, ninguém percebeu. Foi legal, deu uma mexida nesta minha vida convencional, poxa, até melhorou. Pula de novo, opa ninguém percebeu. Acho que não tem problema de dar mais umas puladinhas... E por aí vai, pulando uma cerca aqui e outra ali, até que um dia esta cerca quebra.

Hum... quebrou, agora virou problema. E agora? Vão descobrir que a cerca quebrou! Pior, não tenho mais a minha cerca para pular.

Não importa o motivo que o levou a pular esta cerca. Não importa se procurou, se apareceu, pois de uma forma ou de outra, a abertura foi dada para que isso acontecesse. Agora é assumir essa cerca quebrada, primeiro pra você mesma, depois para as cercas que ainda lhe rodeiam.

Seguir o caminho é assumir o caminho que escolheu, mesmo que seja para pular outras cercas, não somente a dos relacionamentos, mas as cercas da profissão, da auto-estima... É libertar-se, é saber viver.

Mas com um aprendizado, vale a pena pular essas cercas? Ou, até onde é válido pular essas cercas? Quais cercas mais pesam? Quais cercas valem a pena serem puladas? Seria uma fuga?

É igual ao programa de sexta depois do Globo Reportér: "Tudo novo de novo". A música canta o seguinte: "Tudo novo de novo, a gente se jogar de onde já caímos..."

Boas reflexões.

Namastê

2 comentários:

Paloma disse...

Importante perguntas, Rita. Muito importantes! bjos

Vivian Portela disse...

Nossa, inumeras respostas talvez!!

Hoje mesmo eu ia postar sobre as escolhas que nem percebemos que fazemos... mas vou deixar quieto por alguns dias.

Beijo grande.