sábado, 15 de dezembro de 2012

Um 2013 diferente

Mais um ano... realizações, desejos... época em que muitos começam a parar para pensar sobre o ano que está quase no fim.

O que realizei? Minhas metas foram cumpridas?

Eu consegui realizar minhas metas para 2012, pois elas não eram tantas. Quanto mais a gente se coloca a prova, a chance de conseguir é menor e com isso o grau de frustração aumenta.

Não quero dizer que não se colocar em desafio seja bom ou ruim. Entretanto quanto mais você se conhece e se admite, a probabilidade de você desejar algo mais palpável aumenta.

Ok, sair da zona de conforto também é necessário, faz parte do movimento e do desenvolvimento pessoal. Contanto que seja em harmonia e equilibrado.

É por isso que para 2013 desejo a todos vocês o "Não Desejo", que você possa desejar menos, que crie menos expectativas e perspectivas e que o seu ano seja um simples caminhar, quem sabe assim você possa apreciar a vida de uma forma diferente?

Boa viagem e boas reflexões.

Namastê /\

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Quem é mais louco?

Outro dia estava na rua e deparei-me com um morador de rua, era um rapaz perambulando e falando sozinho.
A primeira coisa que passou pela minha cabeça: Coitado, parece louco.
No mesmo instante algo passou pela minha mente: Mas quem é mais louco? O morador de rua que fala sozinho ou aquela pessoa que trabalha mais de 12 horas diárias, não convive com as pessoas e depois gasta todo o seu dinheiro com médicos e remédios?
Quem é mais insano?
Quem é mais cego?
Quem está mais anestesiado?
O trabalho anestesia tanto quanto os entorpecentes, tudo isso é uma DROGA. Já falei sobre as drogas em um post anterior "O que lhe alimenta?".
A grande maioria leva a vida como uma luta e não precisa ser assim, ou desta forma. Tudo pode mudar se você mudar a sua visão de ver e fazer.
Cada um escolhe o caminho a ser percorrido, às vezes podemos achar que um morador de rua seja louco, ninguém sabe os motivos que o levou a isso. Buda em sua busca largou toda a riqueza material e foi perambular. Não digo isso querendo justificar ou até incentivar, apenas para dizer que é fácil julgar pela aparência das pessoas ou situações.
Vivemos em um mundo de "maya" (ilusão) e todos nós, sem exceção, queremos acreditar nesta ilusão. Por isso julgar não é necessário e sim questionar sobre o que estamos fazendo, quem somos nós e para que viemos?
Quem é mais louco?

Boas reflexões...
Namastê

terça-feira, 31 de julho de 2012

Se joga!

Faz muito tempo que não passo por aqui... o tempo voa... e quantas pessoas passam por nós. Uns ficam, outros se vão... mas sempre tem uma lição aprendida.

Na maioria das vezes escrevo em terceira pessoa, mas hoje vou mudar e escrever algo pessoal. Quebrar paradigmas sempre é muito bom :D

Independente do que façamos com nossas vidas é sempre muito bom poder sentir-se novo, ser surpreendido, inovar sem saber, entrar em algo sem esperar nada e no final ver que tudo o que se passou de bom e de ruim fez seu sentido no final. Sabe quando você começa a assistir um filme e na metade dele você se apavora porque percebe que não está entendendo nada e no final, tudo fez sentido? Pois é bem assim que me sinto neste momento. Recentemente terminei um curso que foi simplesmente uma terapia em grupo, individual, transcendental... enfim... ANIMAL.

Para isso acontecer, as pessoas presentes se jogaram e se despiram como nunca pensaram em fazer. Foi uma surpresa para todos e inclusive para a querida mestra, pois chegou em um momento da música que todos regiam juntos, separados, uns comandavam, mudavam de direção e tudo seguiu como deveria ter seguido. Até chegar aonde chegou... chegar no final foi muito bom, mas garanto que o percurso, sem sombra de dúvida, foi a melhor parte.

Viver, simplesmente VIVER é às vezes tão difícil, pois a maioria das pessoas preferem ser anestesiadas pelo ego, pelas expectativas, pelo sentimento de vítima... Ficar entorpecido não levará a LUZ, pois fugir só vai te levar para cada vez mais longe e o caminho está aí para ser seguido, uma hora ou outra seus fantasmas vão aparecer, prorrogar o sofrimento é covardia e burrice. Viver é seguir em frente, com um passo de cada vez, sem pressa, sem expectativas, sem culpas, sem nada.

Viemos para este mundo sem nada e nada será o que levaremos dele quando partirmos, mas as lembranças, as amizades, o carinho e o amor das pessoas que passaram e passam por você é o que fará a diferença, é o percurso de sua vida!

Tudo isso para dizer que não importa, nunca importou e nunca importará... se joga!

Boas reflexões...
Namastê.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

O que lhe alimenta?

A maioria acha que o alimento de mastigar e engolir seria a resposta mais óbvia, certo? Infelizmente não o é, a questão é muito mais profunda...

Vejamos nossos amigos seres humanos que abandonaram suas vidas reais e embarcaram na droga, onde viver na ilusão parece ser o melhor caminho. Outro dia conversei com um ex dependente químico e o que ele me disse foi uma lição para a vida: - Parar com a droga não é o mais difícil, é até fácil, difícil é voltar para a realidade que te fez ir para as drogas. Aquilo foi para mim como um soco no estômago, pois percebi que o vício é muito mais além do que vimos nos noticiários. Uns podem se viciar em trabalho, trabalham tanto que utilizam essa "droga" para esquecer a vida cotidiana de casa, outros em esporte, outros em compras, outros em comida, outros em estudo... e por aí vai...

A questão é sobre o que lhe alimenta ao ponto de fazer com que você fique fora de si, fora de sua realidade, pois viver no mundo real não é uma tarefa fácil, eu diria que crescer e viver nesse mundo adulto não é nada legal, muitas vezes.

Eu mesma já fui vítima desse vício, era viciada em fazer cursos, não admitia chegar em casa de noite ao ponto de ter que aturar a novela das nove, emendava um curso no outro e isso fazia com que eu não vivia a vida e sim passava por ela, fazia com que eu não me via e nem percebia as pessoas ao meu redor, parecia uma sonâmbula, não sentindo nada.

A droga anestesia!

A vida precisa ser levada de forma mais leve, trabalhar, estudar, comer, praticar esportes... tudo no equilíbrio, para podermos aguçar nossos sentidos, nossas emoções e encontrar o nosso chão e não viver anestesiado dando importância para aquilo que não deveria ser tão importante assim.

A droga pode ser qualquer coisa, até mesmo aquela paixão em algo ou em alguém que lhe tira o chão e faz com que você pense que aquilo ou alguém seja tudo na sua vida.

Você é tudo para você mesmo e isso já se basta.

Boas reflexões, namastê.